Representante da associação de ligeirinhos pede legalização do trabalho da categoria

Cidade Notícias

Compartilhe este post

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter

O presidente da Unitaxi – Associação dos Taxistas de Feira de Santana, Luiz Claudio Santana Oliveira, fez uso da Tribuna Livre na Câmara Municipal nesta quarta (11) com o objetivo de solicitar ajuda da Casa para que haja legalização da atividade exercida pela categoria. Ele representa os motoristas de táxi conhecidos como “ligeirinhos” que atuam em Feira de Santana e região e que, segundo ele, são os que realmente realizam o trabalho de táxi-lotação na cidade, especialmente neste período em que ônibus foram retirados de circulação.

Luiz Claudio destacou que não tem ônibus suficiente circulando na cidade, e que esse fato permite aos ligeirinhos conduzirem os trabalhadores diariamente pelas ruas de Feira de Santana. “Convido todos vocês a irem nos pontos de ligeirinho para verem a facilidade que os trabalhadores têm para pegar nossos táxis, porque é o que eles têm disponível. Esses mesmos ligeirinhos que foram marginalizados há um bom tempo são os que estão funcionando agora. Então peço a vocês que olhem o nosso lado com carinho, e que também levem em consideração os táxis que realmente realizam o trabalho de táxi-lotação, porque o projeto de lei que tramita nesta Casa sobre o assunto só engloba os táxis legalizados de Feira de Santana”, disse. 

E lembrou: “Quando as empresas de ônibus foram embora em 2015, o então prefeito José Ronaldo pediu que os taxistas cadastrados em Feira realizassem o táxi-lotação. Atualmente Feira dispõe de 1.370 táxis, mas os senhores sabem quantos táxis-lotação trabalharam naquela época? Em torno de 20. Sabe por que? Porque os próprios donos de táxis disseram, na época, que não iam transportar quatro pessoas dentro do carro deles, para não danificar os veículos. Então quem fez o trabalho fomos nós, os ligeirinhos, porque éramos os que estavam disponíveis para transportar a população “, frisou. 

Ele disse que espera que o trabalho do prefeito Colbert Martins Filho englobe a categoria. “Acredito que ele, sendo um prefeito maleável e organizado, venha também olhar pelo nosso transporte clandestino. Hoje, como todos podem ver, não há mais fiscalização do transporte, pois a secretaria está paralisada; porém, vocês também não estão vendo carro clandestino atrapalhar o trânsito; muito pelo contrário, a cidade hoje flui normalmente, apesar da perda de ônibus que todos nós sabemos”.

Luiz Claudio se refere ao projeto de Lei nº 071/2021, de autoria do vereador Galeguinho SPA (PSB), que estabelece como essenciais as atividades de motoristas por aplicativo, taxistas, mototaxistas e entregadores por aplicativo em período de endemia, pandemia, catástrofe natural e outras calamidades. A propositura foi aprovada, em primeira discussão, por unanimidade, e será pautada em segunda discussão em breve. Informou ainda que, em Aracaju, capital de Sergipe, o táxi-lotação funciona normalmente e indagou porquê o mesmo não ocorre em Feira. “Lá em Aracaju já funciona há um tempo o transporte que nós fazemos aqui há muito tempo. Nós precisamos de vocês, vereadores, e eu pergunto: se é o mesmo transporte há mais de 20 anos, porque antes não funcionava?’, indagou.