Lula critica militares e diz que só vai conversar com eles quando for eleito presidente em 2022

Cidade Notícias

Compartilhe este post

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) criticou os militares nesta segunda-feira (16) e disse que só vai sentar para conversar com eles quando for eleito presidente em 2022. Ele também aproveitou para atacar a relação próxima entre o atual chefe do Executivo, Jair Bolsonaro, e as Forças Armadas.

“Quando eu ganhar, eu vou conversar porque, aí, eu vou ser chefe deles e vou dizer o que eu penso e qual é o papel deles. Porque a democracia definitivamente não comporta um estado civil governado por quase 6 mil militares que estão em postos de confiança no governo Bolsonaro. Agora, isso acontece também não é por mérito do Bolsonaro, não. É por incompetência do Bolsonaro. É por incompetência. Quando o cidadão é incompetente ele tenta se escudar na coisa que ele acredita ser o forte”, disse ele, durante entrevista coletiva.

Lula ainda afirmou que os militares “pensam que são superiores”, ao criticar o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello.

“Eu ouvi dizer o Pazuello, quando ele foi na CPI, disseram uma futrica, não sei se é verdade, porque nem tudo que sai na imprensa é verdade também, dizendo que o Pazuello ameaçou ir de farda para amedrontar os senadores. É assim que eles pensam, eles botaram na cabeça que eles são superiores, eles botaram na cabeça que eles são mais honestos e a CPI tá mostrando o que aconteceu com a quantidade de coronéis que, em nome de institutos, de ONGs, estavam montando uma verdadeira quadrilha de comprar vacina. Eu não tenho conversa com os militares”, afirmou.